Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Em banho café

Em banho café

17.Jul.17

3 preocupações de quem vive num rés-do-chão

Eu, pessoa que viveu 29 anos num 7º andar, me confesso. Sou miúda senhora de grandes voos – gosto da vista do horizonte, de planos picados e de contemplar o mundo. Claro que, quando a roupa cai do estendal, a opção pelas alturas pode ser problemática, sobretudo quando são as cuecas vermelhas que ficam presas no estendal do vizinho de baixo de 80 anos. De resto, viver dezenas de metros acima do chão é uma maravilha.

friends.png

 

Este ano, tudo mudou. Do 7º andar, passei para um rés-do-chão. Precisemos: um rés-do-chão subido. Mas não deixa de ser um rés-do-chão. E, aos poucos, percebi que há mais do que aparenta nestas mudanças de andares. Pequenos detalhes ignorados que fazem toda a diferença, com impacto no quotidiano. Claro que as pessoas do chão se rirão destas preocupações – dirão que é business-as-usual da malta rasteira. Mal sabem que, para as pessoas dos pés no ar, este é um processo de habituação doloroso. E aposto que nunca pensaram no quão vergonhoso pode ser pedir as cuecas vermelhas de volta ao vizinho de baixo.

 

Curiosos? Eis o que alguém que vive num rés-do-chão tem de enfrentar.

 

1. Bichos, criaturas e demónios de muitas patas

Ok, esta seria óbvia. Mas nunca é demais relembrar. Há muitos bicharocos que atormentam a vida de quem habita um rés-do-chão. Pela calada, vão ocupando a casa a partir dos cantinhos inacessíveis e das frinchas da porta do terraço. Tal qual um Alien a invadir a nave-mãe, é importante não menosprezar os estragos que estas pequenas criatura trazem. 

 

E que estragos, perguntam vocês? Sobretudo à minha sanidade mental. Imaginam o drama de quem vai pôr a máquina a lavar às 23h (aproveitar a tarifa bi-horária, minha gente, nunca esquecer!) e dar de caras com uma temível centopeia? Ou de quem acorda e encontra um rasto de formigas a preparar trincheiras para invasão completa do terreno inimigo cozinha? Não é fácil!

Manual de sobrevivência: Nunca ser apanhado desprevenida e nunca baixar a guarda. Eles estão lá. SEMPRE. Portanto, o melhor é ganhar rotina a olhar para os pequenos cantos e ter sempre algo à mão…. para os transportar gentilmente para um terreno feliz, cheio de arco-íris e divertimentos bug-adapted a quilómetros de distância da nossa casa!

 

2. Janelas abertas? Fechadas? Assim-assim?

Ainda estou pouco habituada a esta proximidade desafiante com o solo… e, sobretudo, com os transeuntes que caminham por esse solo. Confessemos: viver num 7º andar sem nenhum prédio em frente dá-nos um sentimento de impunidade poderoso. Sabemos que, se quisermos, podemos andar nus pela casa, com um ananás na cabeça, a cantar e a fazer a coreografia da Maria Leal. Até podemos acabar por não o fazer, mas só a ideia desta possibilidade é poderosa.

 

family guy

Por isso, é realmente perturbadora esta ideia de que qualquer pessoa pode ter um vislumbre do nosso quarto, da nossa sala e de qualquer outra divisão com janelas para a rua (a sério, há alguém que tenha tido a ideia peregrina de instalar uma janela com vista para a rua num WC?). A ausência de privacidade desvanece as fronteiras entre espaço público e privado e, dadas as circunstâncias, dançar despida ao som de Maria Leal mais facilmente seria um peepshow para os vizinhos do que um momento privativo de loucura.

 

Mesmo num rés-do-chão subido, a questão é frequente: deixa-se a persiana aberta e assume-se que este é o palco de um Big Brother lá do bairro? Fecha-se a persiana e vive-se na penumbra constante, sem sequer saber o tempo que faz lá fora? Ou assim-assim, com uma frincha de persiana aberta, para dar luz natural suficiente (e um vislumbre do que se passa lá em casa aos vizinhos)?

 

Manual de sobrevivência: Cortinados, obviamente. O que leva à preocupação 2.1: Tecido translúcido para deixar entrar a luz (o que continua a permitir olhares alheios)? Tecido opaco? Ou assim-assim?

 

3. Quem ouve vozes não vê caras

Podiam ser almas penadas, a vaguear sem destino pelos corredores lá de casa. Daquelas que puxam os pés dos vivos, mudam os objetos de lugar e murmuram ao nosso ouvido para nos enlouquecer. Mas não. Infelizmente.

 

Viver num rés-do-chão é ouvir muitas vozes, mas de origem bem menos fantasmagórica. Isto porque qualquer conversa tida na rua é ampliada para o interior, sobretudo quando os decibéis sobem e a emoção escala. Não há janela dupla que sirva de barreira ao drama humano, sobretudo quando o tema são discussões ou cusquice pura.

 Portanto, e aos poucos, os segredos da rua vão-se sabendo. É como um puzzle comportamental e social, na verdade. Ah, quem está a falar agora é a Dona Lurdes, de quem o Senhor Abílio estava a dizer mal há três dias. E com quem está ela a falar? Ah, com a Ti Luísa, claro. E agora perguntem-me… como é que são estas pessoas? Não faço ideia, continuo a lutar com a persiana aberta ou fechada (ver preocupação 2) e, portanto, raramente os vejo.

 

Mas como é isto uma preocupação? Primeiro, não estou minimamente interessada na vida dos vizinhos cá da rua e transeuntes ocasionais. Depois, estas vozes do além bairro ecoam, frequentemente, ao pé da janela do meu quarto. E eu gosto muito de dormir. E de dormir sem ser interrompida por estes diálogos corriqueiros. Chamem-me esquisita.

 

Manual de sobrevivência: Tampões para os ouvidos, auscultadores ou seguir a velha máxima do ‘junta-te a eles’. Ou seja, abrir de repente a janela a meio de uma conversa alheia e juntarmo-nos ao falatório: Pois é, senhor Manel, essa dor nas costas pode ser sinal de algo bem mais grave. Também tem manchas cor-de-rosa ao lado do umbigo? Algo assim, sem aviso e que demonstre bem que estamos plenamente a par da conversa. Das duas uma: ou acabam-se de vez as conversas ao lado das nossas janelas ou ganhamos novos amigos. Não sei se valerá a pena tamanho risco.

 

Por outro lado, esta preocupação é também uma vantagem. Tão resguardada andava eu no 7º andar que nunca me apercebi quanto nos expomos quando conversamos na rua. Quanto de mim saberão as pessoas do rés-do-chão desta Lisboa e arredores? Nunca fiando, o melhor é nunca falarem demais junto de janelas alheias. Ou, em alternativa, pronunciem bem alto frases mirabolantes e perturbadoras. Qualquer coisa como isto: O que é isto?!? Está ali um crocodilo azul gigante a atacar quem sai do Café Central? FUJAM!