Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Em banho café

Em banho café

29.Mai.17

Já é muito tarde para aprender a tocar piano?

A resposta é directa e muito simples: não, nunca é demasiado tarde. Da minha parte, descobri o piano aos 24 anos – por estes dias, marca-se o 7º aniversário desde que comecei a ter aulas –, um pouco por acaso. Queria arranjar um hobby e aprender um instrumento musical foi uma das primeiras opções de que me lembrei. Entre o leque de instrumentos possíveis – do reco-reco à harpa –, nunca tive grandes dúvidas de que o eleito seria o piano. Em retrospectiva, no entanto, diria que a maravilhosa banda sonora de Le Fabuleux Destin d'Amélie Poulain teve algum efeito influenciador na escolha.

piano.jpg

Eu e um piano, captados de forma mágica pela Made In Love - Wedding Photography.

 

Sete anos volvidos, é delicado explicar a relação que se gera entre um músico e aquelas teclas pretas e brancas. Em dias difíceis, é ao piano que recorro, com atenção sempre constante enquanto se desenlaça uma melodia. Não há pensamentos maus no momento em que toca uma peça, qual terapia moldada em notas musicais. Em dias felizes, a música que brota do movimento mecânico dos dedos soa ainda mais encantadora. É uma relação que fica, que vem à memória dos dedos e do coração. E que, mesmo quando não somos nós a tocar aquele acorde, resulta numa empatia reforçada com outros músicos, com outros temas.

 

Diferentes idades, diferentes desafios

Tenho aulas numa escola de música e, como é natural, os estudantes de palmo e meio (ou até de meio palmo) estão em maioria. ‘É de pequenino que se torce o pepino’, reza o dito popular. E perante isto, os adultos acobardam-se quando pensam em aprender um novo instrumento. Conseguirei aprender? Terei tempo? É preciso ter boa memória para decorar as pautas? Há tantas dúvidas que se instalam. Também eu as tive – e ainda tenho, quando a ‘vida de adulto’ é demasiado ocupada para os treinos ao piano -, mas vou dando os meus baby steps nesta aventura musical.

Há aspectos bons e maus na aprendizagem em diferentes idades. Os miúdos aprendem mais rápido, os graúdos são mais responsáveis. Também têm mais medo de se expor – ao público, ao ridículo, etc. Mas também por isso é positivo ir aprender um instrumento mais tarde – contrariar o medo sempre fez bem à alma!

 

As notas musicais não têm idade

Gosto, particularmente, do final de um concerto da escola. Entre os mais pequenotes e os mais grandotes, há algo que nos une ali. Mais do que a energia eletrizante, movida a adrenalina, sentem-se os desafios pessoais que cada um de nós teve de enfrentar para pisar um palco e dar tudo de si. A harmonia é mais do que um conjunto de instrumentos. Somos nós, é a sensação vertiginosa de que criámos qualquer coisa.

 

Vantagens de tocar piano

Ainda indecisos sobre iniciar uma relação de longa-duração com um instrumento musical? Nada como dar uma espreitadela às vantagens de tocar piano:

  • redução do stress
  • melhoria da coordenação olho/mão
  • aumento da criatividade
  • maior capacidade de concentração
  • maior capacidade de memória
  • (e há quem diga que) maior capacidade cognitiva geral e espacial, assim como uma facilidade redobrada em aprender línguas.

 

 Ah… e conseguir tocar a “Comptine d'un autre été” do Le Fabuleux Destin d'Amélie Poulain, claro está ;)